Tudo sobre a sintaxe SQL para iniciantes

Em um mundo cada vez mais dominado por dados, a capacidade de interagir com bancos de dados não é apenas uma habilidade técnica desejável, mas uma necessidade para muitos profissionais. Aqui, vamos mergulhar no universo da Structured Query Language, mais conhecida como SQL, a linguagem padrão para consulta e manipulação de dados em bancos de dados relacionais. Este guia é projetado para iniciantes, visando equipá-lo com os conceitos fundamentais e as habilidades práticas necessárias para iniciar sua jornada no SQL.

O SQL é omnipresente no mundo da tecnologia de informação; seja você um cientista de dados analisando grandes conjuntos de dados, um desenvolvedor web construindo aplicações dinâmicas ou mesmo em cargos que tradicionalmente não são considerados “técnicos”. Saber como comunicar-se com bancos de dados não é apenas conveniente, mas muitas vezes vital. Vamos desmistificar essa poderosa ferramenta e torná-la acessível, passo a passo.

1. Introdução ao SQL: O que é e para que serve?

O SQL, sigla para Structured Query Language, é uma linguagem de programação padrão projetada especificamente para gerenciar e manipular bancos de dados relacionais. Desde sua criação na década de 70, evoluiu significativamente, porém sua essência permanece: permitir aos usuários criar, ler, atualizar e excluir (CRUD) dados armazenados em um banco de dados de maneira simples e eficiente.

Por que aprender SQL?

Muitos caminhos no universo da tecnologia cruzam com o SQL em algum momento. Seja você interessado em análise de dados, desenvolvimento web ou administração de sistemas, ter uma compreensão sólida do SQL abre portas para manipular grandes volumes de dados precisamente e tomar decisões baseadas em insights concretos extraídos desses dados.

2. Estrutura Básica de um Comando SQL: SELECT, FROM, WHERE

A base da maioria das interações com um banco de dados utilizando SQL pode ser resumida em três palavras-chave essenciais: SELECT, FROM e WHERE. Essas palavras-chave permitem ao usuário especificar exatamente o que deseja buscar (SELECT), onde procurar (FROM) e sob quais condições (WHERE).

SELECT

A palavra-chave SELECT é usada para escolher os dados que você deseja exibir a partir do banco de dados. Você pode selecionar colunas específicas ou usar o asterisco (*) para selecionar todas as colunas.

Exemplo:

SELECT nome, idade FROM usuarios;

FROM

A cláusula FROM especifica a tabela da qual os dados devem ser retirados. Em conjunto com SELECT, determina os campos e registros relevantes a serem buscados.

Exemplo:

SELECT nome FROM alunos;

WHERE

A cláusula WHERE, embora opcional, é incrivelmente poderosa. Ela define condições que filtram os registros a serem retornados pela consulta. Usando WHERE você pode tornar sua busca tão específica quanto necessário.

Exemplo:

SELECT nome FROM alunos WHERE idade >= 18;

3. Compreendendo Tipos de Dados no SQL: VARCHAR, INT, DATE e Mais

No SQL, cada coluna em uma tabela precisa ter um tipo de dado definido. Esses tipos determinam a natureza dos dados que podem ser armazenados nas colunas – texto, números inteiros ou data/hora são exemplos comuns. Entender esses tipos é crucial pois impacta diretamente a maneira como as consultas são formuladas e como os dados serão manipulados.

VARCHAR

VARCHAR, abreviação de character varying (caractere variável), é usado para armazenar texto alfanumérico. A vantagem do VARCHAR sobre outros tipos semelhantes é sua flexibilidade em termos do tamanho da string armazenada; você pode definir um limite máximo caracterizando assim melhor a estrutura dos seus dados.

Exemplo:

CREATE TABLE usuarios (
 id INT,
 nome VARCHAR(100)
);

INT

O tipo INT, abreviação para integer (inteiro), representa números inteiros. É amplamente utilizado quando precisamos armazenar valores numéricos sem decimais – como idades ou quantidades.

DATE

DATE, como o próprio nome sugere, refere-se à data. Permite-nos trabalhar com anos completos (YYYY), meses (MM) e dias (DD). Manipular datas é essencial em muitas operações do dia a dia em bancos de dados – desde registrar datas importantes até calcular períodos entre eventos específicos.

4. A Arte de Filtrar Dados: Uso Avançado do WHERE

O comando WHERE é essencial para qualquer pessoa que deseje se aprofundar no SQL, pois permite filtrar registros com precisão cirúrgica. Aprender a usar o WHERE adequadamente é como dominar a arte da seleção de dados, e neste tópico, vamos elevar esse conhecimento ao próximo nível.

Operadores e Comparativos

No coração do comando WHERE estão os operadores comparativos: =, <, >, <=, e >=. Esses operadores permitirão que você compare valores em suas consultas de forma eficaz. Além disso, os operadores BETWEEN, LIKE, e IN ampliam ainda mais as possibilidades de filtro, possibilitando desde a seleção de faixas de valores até a busca por padrões específicos em textos.

Lógica Booleana no SQL

A utilização de operadores lógicos como AND, OR, e NOT em conjunção com os comparativos abre um novo mundo de possibilidades. É aqui que sua habilidade de filtragem se expande exponencialmente, permitindo combinações complexas para atender requisitos precisos nas consultas.

5. Ordenando Dados com ORDER BY: Como e Quando Utilizar

A cláusula ORDER BY é fundamental quando necessitamos apresentar nossos resultados numa ordem específica, seja ascendente (ASC) ou descendente (DESC). Muitas vezes, a maneira como os dados são apresentados pode revelar insights valiosos ou simplesmente tornar a informação mais compreensível.

Priorizando Colunas na Ordenação

Ao usar o ORDER BY você não está limitado a uma única coluna. Você pode especificar várias colunas para determinar a prioridade na ordenação dos resultados. Isso é extremamente útil quando queremos organizar os dados por mais de uma métrica ou critério.

6. Agrupamento de Dados com GROUP BY e HAVING: Uma Dupla Poderosa

O uso do GROUP BY junto ao HAVING transforma completamente o modo como visualizamos conjuntos de dados agrupados. Enquanto o GROUP BY nos permite reunir linhas que têm a mesma valor em uma determinada coluna, o HAVING oferece um meio de filtrarmos esses grupos baseados em condições específicas.

Agrupamento Eficiente com GROUP BY

O GROUP BY é especialmente poderoso quando usado em conjunto com funções agregadas (como COUNT, SUM, AVG), permitindo análises sumárias profundas sobre segmentos específicos dos seus dados.

Filtrando Grupos com HAVING

Diferentemente do WHERE, que filtra linhas antes do agrupamento ocorrer, o HAVING filtra após o agrupamento ser realizado. Isso significa que você pode aplicar condições especificamente aos grupos criados pelo GROUP BY, oferecendo uma camada extra de precisão na análise dos dados.

7. JOINs no SQL: Ligando Tabelas para Consultas Completas

A capacidade de combinar informações de várias tabelas através da cláusula JOIN é fundamental no SQL para criar consultas que fornecem uma visão completa dos dados relacionais. Deve-se entender bem os diferentes tipos de JOINs – INNER JOIN, LEFT JOIN, RIGHT JOIN e FULL OUTER JOIN – para saber aplicá-los eficazmente conforme o contexto da consulta.

Técnicas e Estratégias de JOIN

O INNER JOIN nos permite selecionar registros que têm valores correspondentes em ambas as tabelas envolvidas na consulta. Por outro lado, os LEFT JOIN e RIGHT JOIN incluem todos os registros da tabela esquerda ou direita respectivamente, mesmo quando não há correspondências na outra tabela – preenchendo os campos sem correspondência com NULLs. O FULL OUTER JOIN combina as funcionalidades do LEFT JOIN e RIGHT JOIN mostrando todos os registros das duas tabelas independentemente da existência de correspondência entre elas.

8. Manipulação de Dados: INSERT INTO, UPDATE, DELETE FROM

A manipulação de dados é o coração do SQL, permitindo-nos adicionar, atualizar e remover informações dos bancos de dados. Exploraremos os comandos INSERT INTO, UPDATE, e DELETE FROM, que são essenciais para qualquer pessoa que trabalhe com SQL.

INSERT INTO: Adicionando Novos Dados

O comando INSERT INTO é utilizado para inserir novos registros em uma tabela. A sintaxe básica requer o nome da tabela e os valores a serem inseridos. Por exemplo, para adicionar um novo empregado à tabela ‘Empregados’, a consulta seria:

INSERT INTO Empregados (nome, cargo, salario) VALUES ('João Silva', 'Desenvolvedor', 5000);

É crucial garantir que os valores inseridos estejam na ordem correta e sejam compatíveis com os tipos de dados das colunas da tabela.

UPDATE: Atualizando Dados Existentes

Com o comando UPDATE, podemos modificar informações já existentes em nossas tabelas. Uma operação de atualização típica inclui a especificação da tabela a ser atualizada, seguida da cláusula SET, que determina as novas valores das colunas desejadas. Por exemplo:

UPDATE Empregados SET salario = 5600 WHERE nome = 'João Silva';

A precisão na definição da condição WHERE é fundamental para evitar alterações indesejadas em outros registros.

DELETE FROM: Removendo Dados

O comando DELETE FROM é usado para excluir registros específicos de uma tabela. Assim como o UPDATE, requer atenção especial à condição WHERE para não remover mais do que o pretendido. Um exemplo seria:

DELETE FROM Empregados WHERE nome = 'João Silva';

Neste caso, qualquer registro correspondente à condição será permanentemente eliminado.

9. Funções de Agregação no SQL: COUNT, SUM, AVG, MAX, MIN

Falar sobre banco de dados sem mencionar as poderosas funções de agregação seria um grande equívoco. Elas nos permitem realizar cálculos sobre um conjunto de valores e obter um único valor resumido – essencial para análises rápidas e eficazes.

COUNT: Contando Registros

A função COUNT() conta quantos registros atendem a um determinado critério. Por exemplo, para saber quantos empregados possuem salário superior a 4000:

SELECT COUNT(*) FROM Empregados WHERE salario > 4000;

SUM: Somando Valores

A função SUM() é utilizada para somar os valores de uma coluna específica. Imagine que queremos calcular o total dos salários pagos pela empresa:

SELECT SUM(salario) FROM Empregados;

Médias, Máximos e Mínimos com AVG, MAX e MIN

Determinar médias (AVG()), valores máximos (MAX()) e mínimos (MIN()) em uma série de dados são operações cruciais em análise de dados. Para ilustrar:

SELECT AVG(salario) AS MediaSalarios FROM Empregados;
SELECT MAX(salario) AS SalarioMaximo, MIN(salario) AS SalarioMinimo FROM Empregados;

10. Subconsultas: Consultas Dentro de Consultas para Resultados Complexos

A introdução às subconsultas abre uma nova dimensão na maneira como interagimos com os dados no SQL. Uma subconsulta é basicamente uma consulta dentro de outra consulta, permitindo criar seleções mais complexas e dinâmicas.

SELECT nome FROM Empregados WHERE id IN (SELECT empregado_id FROM Projetos WHERE status = 'Ativo');

Essa consulta retorna os nomes dos empregados trabalhando em projetos ativos – um poderoso exemplo de como as subconsultas podem ser utilizadas para extrair informações inter-relacionadas.

11. Gerenciando Banco de Dados: CREATE TABLE, ALTER TABLE, DROP TABLE

O gerenciamento eficaz do banco de dados envolve criar novas tabelas, modificar estruturas existentes e até mesmo eliminar tabelas desnecessárias – tarefas realizadas utilizando os comandos CREATE TABLE, ALTER TABLE e DROP TABLE.

Criando Tabelas com CREATE TABLE

Criar uma nova tabela é essencial quando estamos estabelecendo a estrutura inicial do banco de dados ou adicionando novos conjuntos de dados ao sistema existente:

CREATE TABLE Clientes (
 id INT AUTO_INCREMENT PRIMARY KEY,
 nome VARCHAR(100),
 email VARCHAR(100)
);

Mudanças Estruturais com ALTER TABLE

Mudanças nas necessidades empresariais podem exigir ajustes nas tabelas existentes. O comando ALTER TABLE permite adicionar novas colunas, modificar tipos de dados ou até mesmo excluir colunas não mais necessárias:

ALTER TABLE Clientes ADD COLUMN telefone VARCHAR(15);
ALTER TABLE Clientes DROP COLUMN email;

Limpando o Terreno com DROP TABLE

E finalmente, há momentos em que precisamos remover uma tabela inteira – seja porque ela se tornou obsoleta ou por outros motivos estratégicos. O comando DROP TABLE faz exatamente isso:

DROP TABLE ClientesDesativados;
cursos